Um filho de Deus

noite-de-luar
Por onde quer que eu fosse sempre via pelo caminho um menino, desses que você se desvia porque considera ser só mais um menino de rua
E todo menino me parecia sempre o mesmo, sem brilho no olhar, sem calçados nos pés
Mas certa vez um deles me roubou a atenção, pois de uma maneira apaixonada fitava a lua
Ou talvez ele olhasse para cima buscando uma resposta, algo que pudesse lhe explicar o porque de sua vida revés
E temi que a lua lhe dissesse que estava fadado a não ter o mesmo direito que os outros
Que seria sempre assim
Uma vida de frio, fome, admirando o céu sobre escombros
Era só um menino, e como todo menino apenas gostaria que a vida lhe dissesse sim
Ao menos uma vez
Ele tinha esse direito
Porque todos temos de desfrutar da vivez
Por isso sei que ele queria ser mais que um qualquer, chamado garoto de rua
Queria receber da sociedade ao menos respeito
E a certeza de também ser um filho de Deus ao contemplar a lua
 
Jaqueline Bastos

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.