Nevilton: Crônica

Se eu desço
Quer que eu suba
Se eu subo
Me quer no chão

Se eu me levanto
Me derruba
Seu derrubo
Sou o vilão

Mas não esquento mais a juba
Nem perco a respiração
Pois o amor em flauta ou tuba
Sopra vida ao coração
Sopra vida ao coração

Ela sempre foi minha preferida
Fez tudo ter sentido e entonação
Do meu jardim, mais bela margarida
É chuva fina e doce em meu sertão

E agora tudo tem alguma graça
Até se já não temos mais cachaça
Pois tudo melhora quando ela me abraça
E tudo passa… Tudo passa!

E sopra vida ao coração
Sopra vida ao coração
Sopra vida ao coração
Sopra vida ao coração

Todo dia, toda hora
Ela me faz tão feliz
Que eu só penso em ir embora
Quando ela vem e me diz

2 thoughts on “Nevilton: Crônica

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.